segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Ano sim, ano não

Não é que não sinta dor, sinto-a. O que me faz ser tolerante à dor é não "panicar" perante a sua existência. Quer dizer, há duas coisas que me fazem entrar em pânico e sofro por antecipação por não saber quantificar o quanto vai doer - as "picadelas" de agulhas e os  "esticões" da fotodepilação. É sempre o desconhecimento que me atrapalha, excepto numa situação. Não é uma dor física que sinto e acontece ano sim e ano não. Os meus sobrinhos vão estar com o pai este ano. Sei que custa muito mais à minha irmã ficar sem eles. Saber que estão felizes por ir, conforta. A consoada antecipada também ajuda. Mas não é suficiente.

6 comentários:

  1. Respostas
    1. Tenho tendência para o drama, eu sei que sim. Os meus sobrinhos não vão desaparecer para sempre. Incha, desincha e passa quando eles regressarem :)

      Eliminar
  2. Os rapazes estão bem :)
    Foca-te só nisso...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois estão, tens razão... tenho que esforçar-me para focar nisso :-)

      Eliminar