domingo, 9 de novembro de 2014

Quem não sabe, pergunta

Não é preciso ser neurocirurgião - há quem prefira os cardio-toráxicos ou os ortopédicos. Não tenho nada contra. Mas terá sempre o meu respeito e admiração quem souber executar uma lobotomia - para saber os grupos musculares. Salvo erro, basta ter frequentado as aulas de ciências do 6°ano. E, da última vez que confirmei, este ano é contemplado na escolaridade obrigatória. No entanto, para saber distinguir a dor boa da dor má no exercício físico, é preciso experiência. Quando não se tem conhecimento, procura-se quem sabe. Se assim pensei, melhor o fiz.

Na busca de exercícios mais específicos para os gémeos, olhei em volta para escolher o professor. Todos eles são simpáticos e solícitos. Mas, como não acho piada às insinuações simuladas, escolhi aquele que, à primeira vista, iria acreditar no meu genuíno pedido e não em possíveis segundas intenções da minha parte. Indicou-me dois exercícios de forma clara e seca. Perguntou-me pela avaliação física. Respondi que sabia da importância da avaliação e  das vantagens de a ter feito no ginásio anterior, mas que não me apetecia pagar pela avaliação. Deixou-me o aviso para a fazer e continuou a orientar-me e a orientar quem estava comigo, bem como a cobrar-me o número de séries de cada exercício.

Esta semana, na máquina abdutora, senti uma mão-garra no cachaço:

- MENINA, já marcou a avaliação fisica?
- (com os ombros a engolir o pescoço) Ainda não, mas vou tratar disso! Juro!

Ò pá, escolhi o homem certo!  I'm one of the guys! Agora, é só ganhar coragem e pedir-lhe dicas para os tríceps.

4 comentários:

  1. Olha, eu não confio em nenhum. Já não era o primeiro que começava pelo cachaço.
    Temo aquelas musculaturas e a proa "Sou tão bom. E tu estás tão doida por mim".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Achas que não deva celebrar já?

      Eliminar
    2. À cautela, tauteia Anselmo Ralph, como quem não quer a coisa...

      Eliminar